Pesquisa é realizada por docentes e acadêmicos do curso de Medicina do Centro Universitário Integrado

O uso indiscriminado de medicamentos pelos acadêmicos de medicina é algo que implica na saúde mental e, consequentemente, no ambiente universitário. Durante a formação médica, as universidades são consideradas uma das fontes mais estressoras para os estudantes, afetando seu bem estar físico e mental. 

A partir do momento da aprovação no processo seletivo, suas rotinas tornam-se exaustivas. O excesso de atividades, a cobrança exigida no curso, bem como, a complexidade dos conteúdos, caracterizam os principais fatores estressores desses estudantes. 

Em busca por soluções que permitam contornar tais dificuldades, muitos acadêmicos buscam o uso de psicofármacos, como antidepressivos e ansiolíticos. Porém, o uso indiscriminado desses medicamentos pode trazer complicações sérias, caso não seja orientado por um profissional especializado.

Desta forma, a pesquisa de iniciação científica intitulada “Uso de psicotrópicos por estudantes de medicina de uma universidade privada no Centro-Oeste do Paraná” tem como objetivo retratar o uso de psicotrópicos por estudantes de medicina em uma universidade privada. 

O estudo, que teve início em 2022, é realizado pelos professores doutores Paula Teresinha Tonin, Aroldo Gavioli e Pâmela Patricia Mariano, além de sete acadêmicos do curso de Medicina em estudo.

Apresentação da pesquisa “Uso de psicotrópicos por estudantes de medicina de uma universidade privada no Centro-Oeste do Paraná” no XII Congresso Científico Cultural do Estado do Paraná

A pesquisa possui como questões norteadoras: Como é o uso de psicotrópicos entre os estudantes de medicina? Quais classes de psicotrópicos são utilizados? O uso desses psicotrópicos é acompanhado por um profissional de saúde ou foi iniciado por conta própria dos estudantes?

Aplicação dos formulários aos alunos do curso de medicina de uma universidade privada do Centro-Oeste do Paraná

Em busca de respostas para os questionamentos, um formulário foi desenvolvido e aplicado aos alunos do curso de medicina da universidade pesquisada. Após análise dos resultados parciais, foi identificado o uso elevado de medicamentos psicotrópicos entre os estudantes, sendo os antidepressivos e ansiolíticos os mais utilizados. Destaca-se que o ingresso na faculdade aumentou em 4,4% o uso de medicamentos psicotrópicos. A maioria dos entrevistados faz uso dos medicamentos de acordo com prescrição médica, no entanto, existe uma parcela significativa de estudantes que não são acompanhados por nenhum profissional de saúde.

Estes achados sugerem que a temática da saúde mental e o consumo de psicotrópicos necessitam ser abordadas durante a formação dos acadêmicos. Faz-se necessário, também, incentivar os alunos a realizarem acompanhamento com especialista para a condução da terapia medicamentosa, a fim de evitar possíveis efeitos colaterais desses medicamentos.