O canal de conteúdo do Grupo Integrado

Espaço abriga acervo histórico que resgata e eterniza o legado deixado pelo médico Willfried H. A. Baer

Na manhã de hoje (26/07), o Centro Universitário Integrado inaugurou o Museu da Vida – Willfried Baer. O espaço, localizado no bloco D da unidade Câmpus, abriga um acervo que resgata e eterniza o legado deixado pelo médico Willfried H. A. Baer, além de peças históricas de vários cursos da instituição.

O diretor do curso de Medicina do Centro Universitário Integrado, Marco Aurélio Marangoni, explica como surgiu o projeto. “A história da família mantenedora é uma história que explica muito do investimento e do cuidado com o curso de Medicina, em ofertar sempre o melhor. Ter o museu, em primeiro lugar, homenageia a história do pai do mantenedor. A partir deste acervo familiar, que conta muito da história da Medicina, foi possível agregar uma série de materiais de interesse não só do curso de Medicina. A ideia começou com um Museu da Medicina, mas ao longo do tempo vimos que na verdade a Medicina fala sobre vida, algo que todo mundo fala, a Agronomia, a Veterinária, a Biologia etc. Então, ampliamos a ideia para museu da vida, de tudo o que diz respeito à vida e à existência”.

Os mantenedores, Henning Baer e Maria da Conceição Montans Baer, relembram a história do Dr. Willfried e agradeceram a homenagem. “Fico emocionada porque convivi com o Dr. Baer. Ele era uma pessoa diferente, foi um desbravador dentro da Medicina na nossa região, pensava “fora da caixinha” e teve um papel social muito importante naquela época. É uma homenagem muito justa e que serve para mostrar uma pessoa que veio, realizou e deixou um legado. O caminho que ele seguiu pode servir de exemplo para muita gente”, disse a mantenedora e reitora do Centro Universitário Integrado.

“Tudo que eu ouço sobre ele é muito importante. Ele é o precursor de tudo na nossa família. O mundo dá voltas e agora estamos aqui formando médicos. Essa é uma homenagem muito bem feita. Apesar de não gostar de estar em evidência, tenho certeza de que onde ele estiver, estará feliz com o projeto que estamos fazendo aqui”, disse o pró-reitor administrativo do Integrado, Pedro Henrique Baer.  

Sobre a curadoria do acervo, Marangoni explica que foi um trabalho realizado a muitas mãos. “Foi um processo de chamamento, de quem tinha alguma peça, de busca interna, tinha muita coisa perdida aqui dentro de laboratórios ou que não estavam acessíveis ao público. A gente procurou dar visibilidade a um material que existia desde o começo da instituição, mesmo antes do curso de Medicina. Teve trabalho de muita gente, de organização, de pesquisa, para cada peça a gente procurou informações, no QR Code que identifica as peças tem sempre um material, um pdf ou filme explicativo”.

Ainda de acordo com Marangoni, a ideia é que o Museu Vida seja um espaço de vivência para os acadêmicos e que também receba estudantes de escolas de ensino fundamental e médio.